Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma Caçadora

Para entenderem a minha loucura precisam, primeiro, de conhecer a minha paixão. Quero mostrar que a minha paixão é muito mais do que o simples acto de matar... Que a minha paixão é uma forma de estar na vida!

Diário de uma Caçadora

Para entenderem a minha loucura precisam, primeiro, de conhecer a minha paixão. Quero mostrar que a minha paixão é muito mais do que o simples acto de matar... Que a minha paixão é uma forma de estar na vida!

Fim de Semana Cinegético

12660449_10153994724474455_1053657192_n.jpg 

12637291_10153976543969455_2133984174_o.jpg

 

 

 

 

Mais um fim de semana... Um fim de semana cinegético...

Muitos me perguntam como é que tenho "paciência" para me levantar cedo, todos os Sábados e Domingos para ir para a caça? Como é que eu posso preferir ir para a caça do que, por exemplo, sair à noite? Na verdade, muitas vezes tenho de recusar jantaradas, saídas, convívios, etc. só para ir caçar, sim. "Só para ir caçar". Então vou tentando explicar que gosto muito mais de ir respirar ar puro, de conviver com a Natureza e de me sentir livre e feliz, do que ir para um bar ou uma discoteca, falar aos berros, levar com fumo, deitar-me às 6 ou 7 da manhã e, no dia a seguir, acordar às 3 ou às 4 e não fazer mais nada do que dormir. Feliz ou infelizmente esse não é o meu estilo de vida.

O meu estilo de vida e a minha forma de estar na vida é a caça, sim. É passar um fim de semana, como este, em contacto com os animais e com a natureza. 

No Sábado fui dar uma volta com os cães num terreno com uma vista fantástica. A alegria dos cães é algo inexplicável: a forma como entram no carro (já sabem para o que vão); como vão o caminho todo ansiosos e excitados; como saem da caixa com uma alegria notória e, no fim, como vão para o campo. No fundo, como vão fazer aquilo para que nasceram e aquilo que lhes traz mais felicidade...

Os pombos bravos eram muitos, passavam por cima de nós a distâncias mais curtas, outras nem tanto. Depois, com as barragens que embelezavam o terreno, os patos bravos também nos sentiam e logo abriam asas, para fugirem o quanto antes! Tudo parecia mágico... Aliás, tudo era mágico! Os cães ainda levantaram três lebres da cama. Corriam desalmadamente à frente deles. Os cães, cães de parar, tornavam-se galgos atrás delas...

Até que "tropecei" numa lebre bebé. E tudo "parou". Consegui tirá-la da cama, agarrar nela e ficar assim... Com ela nos meus braços o resto de todo o percurso de caça... Os cães nem deram por ela (e aqui, ainda bem). Era um bebé! Pequenina, quentinha e linda! Quem me dera ter ficado com ela... Ainda ponderei, mas era impossível! Se defendo que todos os animais devem estar em liberdade e serem felizes na Natureza, não poderia fazer uma coisa dessas! Voltei a pô-la na cama... A mãe certamente iria buscá-la mais tarde! 

Acabamos este passeio de caça com um banho na barragem com todos os cães... O cansaço era extremo e nada melhor que um banho de água gelada para acabar mais uma jornada cinegética e um Sábado frio de Inverno.

_______________________________________________________________________________________________

Toca o despertador! Horas de ir para a caça! Hoje um gancho entre amigos... Encontramo-nos todos, debatemos sobre as portas, sobre o tempo, sobre onde se vão largar os cães... Vou para o meu "posto", caraterizado por uma passagem enorme dos porcos. Palpitava-me aquele sítio... Que era ainda companhado de uma vista soberba (que está na fotografia). Depressa começo a ouvir os cães com os porcos. Tinham dado com eles... A adrenalina e o que sentimos é inexplicável! Como costumo dizer "só quem vive é que pode sentir". Não vos consigo transcrever tais emoções. E de repente... Ouço os arames! Um porco a passar a passagem! Olho... Um listado (um javali bebé). A passar-me aos pés... E aqui tudo se desmoronece! Os terríveis e assassinos caçadores ficam deslumbrados com este cenário. Sentei-me. Sentei-me a apreciá-lo e a pensar em como a Natureza é bonita! Em como tenho pena que todos os defensores dos animais (e não só) nunca possam assistir a uma coisa destas. A um bebé a viver em liberdade e com total felicidade. A mãe e os irmãos também andavam por lá (não os vi) e, COMO É ÓBVIO, ninguém atirou... 

Mais um fim de semana... Mais uma panóplia de emoções, sensações e sentimentos... De facto, a caça é a minha felicidade! 

ML.