Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma Caçadora

Para entenderem a minha loucura precisam, primeiro, de conhecer a minha paixão. Quero mostrar que a minha paixão é muito mais do que o simples acto de matar... Que a minha paixão é uma forma de estar na vida!

Diário de uma Caçadora

Para entenderem a minha loucura precisam, primeiro, de conhecer a minha paixão. Quero mostrar que a minha paixão é muito mais do que o simples acto de matar... Que a minha paixão é uma forma de estar na vida!

Gosto de ti Pai. Tanto!

10013592_10203598421826188_346099827_n.jpg

Falar de um Pai é sempre difícil... Falar do meu Pai, ainda mais difícil o é... Mas essa dificuldade está, paralelamente, embuída de uma facilidade pura e espontânea. 

Gosto de ti Pai. Tanto.

Obrigada por seres o Homem que és. O Homem da minha vida! Obrigada por me tornares na mulher que sou hoje... Espero ser o teu orgulho, em tudo o que faço.... Espero que gostes de mim. Tanto como eu gosto de ti.

 

A relação que temos os dois é inexplicável... Ser Pai é algo singular e muito peculiar, tal como ser filha. Pais e filhos caminham de mãos dadas (ou pelo menos deveriam fazê-lo) numa viagem a que chamamos vida. Mas a forma como unimos as nossas mãos é tão diferente...

Devido a tudo aquilo que criamos os dois...

Lembro-me de ti, desde que estava na barriga da mãe. Lembro-me, desde logo, das tuas gargalhadas carismáticas e da tua sensibilidade apurada, mal me viste a nascer... 

Depois foi um crescimento! Um crescimento de amor! Do amor... Do nosso amor.

Gosto de ti Pai. Tanto!

Lembro-me quando dormiamos os dois, ainda eu era uma recém nascida... Lembro-me quando todos os fins de semana ia a correr para a vossa cama, deitar-me contigo. Lembro-me também quando a mãe foi para a maternidade ter a outra anhuca e tu fizeste de mãe e pai... Comiamos batatas fritas à "Caixaria" e ovos à "Zé Pedro Leitão".

Nas nossas viagens na tua carrinha, eu deitava-me no teu colo e adormecia... Lembro-me de te ter sempre por perto, estivesse acordada ou a dormir!

Lembro-me de ser tão pequena, quase do tamanho dos teus botins da caça e, mesmo assim, calçá-los e andar com eles a passear pela casa... Lembro-me de adorar a tua corneta das provas de cães e andar a apitar pela casa toda... 

A mãe devia cansar-se connosco! Mal ela sabia que em vez de um, teria dois caçadores...

Desde logo que me transmite a paixão pelos animais e, sobretudo, pelos cães... Cães de caça, que sempre foi os que tivemos. Cães grandes ou pequenos... Com muito ou pouco pêlo, mas que faziam parte das nossas vidas! 

Gosto de ti Pai. Tanto.

Gostava de ir contigo para o campo. Com os cães. Gostava de estar sempre contigo, no fundo. Como hoje. Como sempre! Gostava de dar comer aos cães contigo. Gostava de ir lavar os canis contigo. Gostava de te chatear a pedir para dormir com os cães na minha cama. 

 

Lembro-me da altura em que fui contra a caça e contra ti. Julgava-te, sem sequer tentar conhecer. E a caça esteve sempre tão presente nas nossas vidas. Mas eu teria de passar por isso, para me tornar naquilo que sou hoje. Teriamos ambos de passar por isso, para sermos o que somos hoje!

Gosto de ti Pai. Tanto!

Um dia decidi ir contigo. Acho que nesse dia decidi ser como tu. Nesse dia descobri que tu eras aquilo que eu gostava de ser. Amiga. Sincera. Honesta. Sonhadora. Lutadora. Divertida. E... Caçadora. 

Lembro-me do dia em que me disseste "Esta era a arma que o pai tinha comprado para ti, a calibre 20". E tudo mudou aí. Olhei-te nos olhos e prometi-te, mesmo que silenciosamente, só para mim, que um dia irias ter ainda mais orgulho de mim! Um dia irias perceber que não era preciso teres tido um filho... A tua filha dar-te-ia todas as alegrias na caça. 

E todos os dias luto por isso. Tu sabes... Faço-o por mim... Por todos nós... Mas acima de tudo, por ti Pai. Porque gosto de ti. Tanto!

A caça uniu-nos ainda mais. As aventuras que partilhamos, os momentos em que me ensinas tantas coisas, as gargalhadas que damos porque estás a fazer xixi e passa-te um coelho à frente ou porque erras porcos atrás de porcos (isto é uma piada). Os olhares cumplices que trocamos são suficientes para todos entenderem que gosto de ti Pai. Tanto. E para sempre...

 

2 comentários

Comentar post