Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma Caçadora

Para entenderem a minha loucura precisam, primeiro, de conhecer a minha paixão. Quero mostrar que a minha paixão é muito mais do que o simples acto de matar... Que a minha paixão é uma forma de estar na vida!

Diário de uma Caçadora

Para entenderem a minha loucura precisam, primeiro, de conhecer a minha paixão. Quero mostrar que a minha paixão é muito mais do que o simples acto de matar... Que a minha paixão é uma forma de estar na vida!

Taça de Portugal de Primavera 2017

Como já vos referi várias vezes, um dos fatores que me levou a ser caçadora foi ver o trabalho dos cães de parar no campo, a caçarem, a fazerem aquilo que mais gostam, com toda a sua paixão, expressão típica e dedicação. Nesse dia, soube logo que algo iria mudar na minha vida e foi o que aconteceu. Para além de caçadora, tornei-me também juiz de provas de Santo Huberto, e mais recentemente juiz tirocinante de provas de caça prática e provas de primavera.

Fi-lo porque, para mim, é maravilhoso poder ver estes cães no terreno e é maravilhoso ver a dedicação do dono com o cão, e vice-versa.

 

Isto para vos explicar um bocadinho o porquê de escrever, por vezes, sobre provas com cães de parar. Porque além de caçadora, também ando nestas "lides".

No fim de semana de 25 e 26 de Fevereiro, realizou-se a Taça de Portugal de Primavera, em Beja, com a organização do CPC (Clube Português de Canicultura).

 

As provas de Primavera, têm como objetivo primordial colocar em evidência as qualidades naturais de cada raça, no ato de caça, tendo em vista o melhoramento das raças de cães de parar. Além da atribuição dos títulos de trabalho e de reprodutores, estas provas permitem divulgar e aumentar os conhecimentos sobre o ensino, utilização nacional e avaliação dos cães de parar e fomentar as relações entre criadores, caçadores e público em geral.

Deste modo, a Taça de Portugal de Primavera tem como objetivo colocar em evidência os exemplares melhor dotados em qualidades de trabalho inatas, próprias de cada raça, nomeadamente a paixão pela caça, eficácia e recetividade ao ensino. 

 

O fim de semana foi marcado pelo bom tempo; pelo companheirismo e amizade; e por campos, na sua maioria, de grande qualidade.

Estiveram presentes 45 cães continentais, divididos em 5 séries; e 13 cães britânicos, julgados numa única série, em parelhas.

 

Vencedores:

Continentais: Izi da Maralha, BAM. Condutor Vítor Silva. Proprietário José Manuel Santos.  

 

Foto de Vitor Silva.

 

Britânicos: Halcon de Bosende, SIM. Condutor e proprietário Luís Semedo.

 

 

Troféu Melhor Perdigueiro Português: Jota do Vale Sabugo, PPM. Condutor e Proprietário: Jorge Piçarra.

 

Foto de Jorge Piçarra.

 

Parabéns a todos os participantes e vencedores! A toda a organização! E a todos os juízes!

ML.