Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma Caçadora

Diário de uma Caçadora

Acampamento de verão para ligar os jovens à Caça

Foi anunciado na Feira Nacional da Agricultura, pelo presidente da Associação Nacional de Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade (ANPC), António Paula Soares, a organização do primeiro acampamento de verão para crianças entre os 8 e os 14 anos, com o intuito de "mostrar às crianças toda a componente, não apenas da caça, mas também da sua ligação com a conservação da natureza e biodiversidade”, como salientou António na entrevista que deu ao jornal i.

 

Todos sabemos a realidade que a caça atravessa, nomeadamente, com a falta de jovens caçadores. Muitos poderão ser os motivos para tal situação; no entanto uma coisa é certa "as novas gerações têm menos ligação com o setor da caça, mas este está completamente enraizado no mundo rural e dinamiza a economia de forma direta e indireta, apesar de não ser essa a perceção urbana", diz António.

 

Esperança. Talvez tenha sido essa a palavra que fez com que surgisse esta nova ideia (execelente) de criar um acampamento de verão para as crianças conectarem-se com a natureza, o mundo rural e a caça. Já lá vai o tempo em que se acreditava que a caça era somente sinónimo de matar. Hoje em dia, uma pessoa minimamente informada sabe que a caça vai muito além disso, e é assim que as crianças devem ver este sector.

Como salienta António “a caça tem um papel muito preponderante”, nomeadamente na gestão e conservação da natureza e biodiversidade.

“É necessário um controlo gerido em parceria com o ICNF [Instituto Conservação da Natureza e das Florestas] porque, de outra maneira, vai criar-se um desequilíbrio total nos ecossistemas e habitats com consequências catastróficas. Hoje em dia temos javalis a invadirem as ruas de Setúbal e a irem para a Costa da Caparica. Não são casos pontuais e são cada vez mais frequentes”, garantiu António, sugerindo que é preciso atuar já. “Ainda não se chegou a um problema grave, mas quando os animais começarem a atacar humanos e a transmitir tuberculose, transmitida quer pela raposa quer pelo javali, irá atingir as pessoas”, concluiu.

 

Parabéns à ANPC pelo feito e pelo trabalho contínuo em prol da caça!

ML.

 

13800717-large.jpg

(Fotografia retirada do site https://www.al.com)

1 comentário

Comentar post