Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma Caçadora

Diário de uma Caçadora

Governo Regional dos Açores enaltece contributo de Vasco Bensaúde para o desenvolvimento da caça sustentável

No dia 21 de julho foi inaugurada a Exposição Fotográfica sobre Vasco Bensaude, com o título "Da Cinofilia à Caça", no Clube Desportivo de Tiro de São Miguel.

36293318_1007613026071252_6569246410166763520_n.jp

 

Esta Exposição é constituída por 16 expositores com fotos e artigos sobre o importante papel de Vasco Bensaude na recuperação do cão de água português e do perdigueiro português, incluindo a sua participação nos anos 30 como secretário geral do clube de caçadores portugueses. São ainda apresentadas 40 fotos de expedições cinegéticas à Ilha de São Jorge e no Continente Português nos anos 30 do Século passado.

unnamed (1).jpg

unnamed.jpg

 

Esta Exposição é também um hino ao papel imprescindível dos cães de caça no ato venatório, podendo serem observadas 8 raças de cães. A preocupação em garantir a sustentabilidade da caça é uma nota dominante em toda a Exposição.

 

Nesta inauguração estiveram presentes o Secretário Regional da Agricultura João Ponte, em representação do Presidente do Governo dos Açores, os Presidentes das Câmaras Municipais da Ribeira Grande Alexandre Gaudêncio, do Nordeste Miguel Soares e de Ponta Delgada José Manuel Bolieiro.

Esteve também presente Patrícia Bensaúde Fernandes, filha de Vasco Bensaúde, e muitos caçadores da Associação Micaelense de Caça, do Clube de Caçadores de Vila Franca do Campo, e membros do Clube Desportivo de Tiro de São Miguel. Fizeram questão de também marcar presença muitos não caçadores que quiseram associar-se a esta Homenagem a Vasco Bensaúde.

IMG_9038.jpg

IMG_9083.jpg

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas enalteceu o contributo de Vasco Bensaúde, falecido há 51 anos, para o desenvolvimento da caça sustentável nos Açores e para a promoção da raça portuguesa de cães de água.

Para o governante açoriano, esta exposição fotográfica constitui “um importante relato histórico e documental”, que foi possível à família Bensaúde e ao coordenador do evento e também caçador, Gualter Furtado.

João Ponte destacou que o Governo dos Açores tem trabalhado “em estreita colaboração com as associações agrícolas, de caçadores e ambientalistas para garantir que a gestão dos recursos cinegéticos é feita de forma o mais sustentável possível, com respeito pelos princípios da conservação da natureza e do equilíbrio biológico”.

“Todo este trabalho não tem sido feito ao acaso. Baseia-se em estudos credíveis sobre a biologia e a ecologia das espécies cinegéticas da Região, bem como nos resultados de programas de monitorização de longa duração, que têm permitido perceber as variações na abundância das suas populações”, disse o Secretário Regional da Agricultura e Florestas.

João Ponte recordou que, no início do ano, foi aprovado um novo diploma sobre a gestão dos recursos cinegéticos e o exercício da caça nos Açores, um documento estratégico e orientador, que contou com estudos científicos, teve em conta o respeito pelas diretivas comunitárias vigentes e com os contributos das associações e ambientalistas.

Nos Açores existem cerca de 4.160 caçadores devidamente habilitados, sendo que 40% estão na ilha de São Miguel.

 

Por fim, a filha de Vasco quis agradecer a todos os presentes, deixando umas palavras, terminando com "Apenas agradecer e realçar que os descendentes de Vasco Bensaude honram a sua memória, como Pai e Avô querido. A par do seu legado empresarial que procuramos manter e desenvolver, gostamos de o recordar como homem bom, sempre aberto sobre os outros e sobre o mundo, amigo também dos animais como aqui é hoje recordado".

 

NOTA: Na concretização desta Exposição tiveram um papel determinante, Pedro Monteiro na recuperação do material fotográfico, Paulo do Clube de Tiro na sua montagem, e Gualter Furtado na ordenação das fotos e coordenação da Exposição, que poderá ser visitada durante um mês todas as tardes, com excepção da segunda feira.

A Exposição teve um momento musical onde atuaram Ricardo Melo na viola e na guitarra Alfredo Gago da Câmara que musicou e cantou o Fado dos Caçadores, cuja letra é da autoria de Gualter Furtado