Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma Caçadora

Diário de uma Caçadora

Quando a idolatração a animais e o ódio a pessoas andam de mãos dadas...

Vários têm sido os acontecimentos que comprovam esta teoria. Desde Peter Singer, o pai destas correntes animalistas, que defendia o sexo com animais e a morte de seres humanos debilitados. Ou o Hitler, que partilhava a sua comida com os ratos, na prisão; ou que proibiu o uso de animais para testes em medicamentos, enquanto matava milhares de pessoas nos campos de concentração. Mais recentemente, e com estas novas correntes de idolatração a animais (atenção: uma idolatração doente), vemos nas redes sociais mensagens de ódios a pessoas. Celebram a morte de caçadores ou de crianças de 6 anos com cancro, apenas porque queriam ser toureiros. 

Chegamos a um ponto de extremismos, onde a idolatração a animais e o ódio a pessoas começam a andar de mãos dadas... E realmente, quando falamos em extremos, é porque algo não está bem. Porque, no fundo, o equilíbrio é a ferramenta base para estarmos bem física e psicologicamente. 

 

Este fim de semana, houve mais uma notícia que vem corroborar esta teoria...

 

Gabriel Cruz, um menino espanhol, de 8 anos de idade, desapareceu no passado dia 27 de fevereiro, em Las Hortichuelas, no sul de Espanha, onde estava na casa da sua avó paterna. O menino tinha saído para ir até à casa dos primos, que viviam a cerca de 100 metros da casa da avó, que ficou à porta da sua casa para vigiar o neto.Viu-o percorrer pelo menos 80 metros do caminho — a distância máxima a que o conseguia ver. Faltavam 20 metros para chegar à casa dos primos, onde nunca acabou por chegar. Nos 20 metros de distância que faltavam, Gabriel desapareceu.

 

gabriel_770x433_acf_cropped.jpg

 

O pai estava junto (e noivo) com uma mulher de origem dominicana, de 35 anos, Ana Júlia, que era anti touradas, anti caça, uma ativista dos direitos dos animais e simpatizante do partido político PACMA.

 

No dia 3 de março, Ana Julia e o pai da criança encontraram uma camisola interior branca, quando ajudavam nas operações de busca; no entanto, e depois de várias buscas, não foi encontrado qualquer outro vestígio do menino.

Este achado, apesar de ter despistado os investigadores, acabou por dirigir as atenções para a companheira do pai de Gabriel, uma vez que a zona em causa já tinha sido alvo de buscas exaustivas antes. Além de que a camisola foi encontrada seca, apesar da chuva que tinha caído nos dias que antecederam a sua descoberta. Segundo conta o El Mundo, Ana Julia já seria a principal suspeita para as autoridades que, no entanto, não avançaram com a sua detenção até perceberem se a criança seria encontrada com vida.

 

Os investigadores terão confirmado as suas suspeitas nos últimos dias, tendo colocado a suspeita debaixo de vigilância apertada antes de a deter. 

O cadáver de Gabriel Cruz, de 8 anos, desaparecido há doze dias em Espanha, foi então encontrado no domingo, no porta bagagem do carro de Ana Julia. A mulher explicou à polícia que transportava o cadáver com medo que alguém o encontrasse no poço onde ele estaria escondido, sobretudo na sequência das muitas buscas organizadas nos últimos dias para encontrar Gabriel.

 

Espanha está horrorizada com este crime e são várias as pessoas que se têm manifestado! 

Começam a ser demasiados "casos isolados"...

 

(Parte da notícia retirada do site: observador.pt)

 

29027665_950382655128535_7260519614046535680_n.jpg 

4 comentários

Comentar post